sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Entrevista com o Criatório Guarnieri


Caros amigos leitores, dando início a uma série de entrevistas com criadores de Trinca-ferro deste imenso Brasil, apresento a vocês o Daniel Guarnieri do Criatório Guarnieri (http://criatorioguarnieri.nafoto.net/) situado na cidade de São Paulo – SP.

Guarinieri, um criador experiente que vai nos contar um pouco do seu dia-a-dia com a difícil reprodução do Trinca-ferro em ambiente doméstico.


Confiram a baixo a sua importante entrevista:


TFV - Conte-nos um pouco da sua historia e há quanto tempo o senhor cria pássaros?


DG - Sou criador amador, passarinheiro desde muito cedo. Meu pai era passarinheiro e meus avôs paterno e materno, e também meu bisavô paterno. Não tenho lembrança de em minha casa não ter pássaros nem se quer por um dia. Aos 5 anos ganhei um casal de periquitos australianos e um pintassilgo. Aí, não parei mais.


TFV - Quais espécies senhor já reproduziu em ambiente domestico?


DG - Aos 10 anos já reproduzia canários belga. aos 12 anos me afiliei ao C.C.C. (Clube dos Criadores de Canários de Cor) e reproduzi também outros exóticos , silvestre reproduzi canário da terra, azulão, curió e pixarro (trinca-ferro).


TFV - O que levou senhor a reproduzir o trinca-ferro?


DG - anos atrás adquiri um pixarro e me apaixonei pela valentia no modo dessa espécie cantar, certo dia comentava sobre isso com passarinheiros que estavam em minha casa e disse que iria adquirir uma fêmea para reproduzir, eles riram e disseram que era impossível reproduzir pixarro em domesticidade, então, tomei como um desafio e conheci uns poucos sérios criadores que reproduziam e, vendo que era possível, resolvi tentar e, desde então, tenho tirado filhotes.


TFV - Qual o primeiro passo para iniciar uma criação de Trinca-ferro?


DG - Procurar um criador sério e somente adquirir pássaros nascidos em domesticidade em situação legal.


TFV - Qual a maior dificuldade que senhor teve no início da criação do Trinca-ferro?


DG - No início formar um bom plantel, pois comprei muito "gato por lebre", e em um segundo momento foi com a perda dos filhotes mas so perde quem cria.


TFV - O investimento para se iniciar uma criação é alto?


DG - Depende do que você busca. no meu caso, além de bons pássaros, investi também em uma boa estrutura, mandando derrubar o antigo criatório e construir um novo voltado para a reprodução de pixarro desde as fundações.


TFV - Como deve ser o ambiente para reprodução do Trinca-ferro?


DG - Para reproduzir pixarro o ambiente deve ser muito limpo, higiene é fundamental para criação de qualquer espécie de pássaro.


TFV - Qual o tamanho ideal das gaiolas de criação? A criação em viveiros é viável?


DG - Isso é relativo, a gaiola ideal será aquela que o criador conseguir reproduzir oferecendo qualidade de vida para os pássaros. Eu uso para as fêmeas gaiolas com 80cm de comprimento, 46cm de altura e 40cm largura, e para o galador gaiola com 45cm x 46cm x 40cm. O modelo que uso foi desenvolvido por mim e fabricado pela Aramil na ocasião em que me procuraram para criar gaiolas para reprodução de pixarro, e julgo que esse modelo ficou perfeito. quanto a reproduzir em viveiros, penso que é louvavel no sentido de que quanto mais pássaros forem reproduzidos menos pássaros serão retirados da natureza. eu optei por gaiolas por usar o sistema de poligamia. toda intervenção fica mais rápida, lembrando que tudo no metabolismo dos pássaros ocorre muito rápido. Também posso em gaiolas aplicar com maior facilidade minhas técnicas, além de que penso que o casal que aceita morar junto não tem fibra.


TFV - Descreva para nós como é a estrutura do seu criatório, no que diz respeito a compartimentos da criação, ou seja, às suas instalações propriamente ditas?


DG - Tenho a sala de criação, uma sala para filhotes, e uma sala para quarentena.


TFV - O seu plantel é formado por quantas fêmeas e machos?


DG - O plantel de matrizes de pixarro hoje é de nove fêmeas e um macho, que são realmente reprodutores, mas estou formando minha “raça” (seleção genética), e treinarei filhotes nascidos aqui para serem galadores, e filhotas como criadeiras, mesmo porque com apenas um galador perdi algumas “galas”.


TFV - Por quantos dias a fêmea pede gala?


DG - Depende da fêmea tenho uma que aceita uma, no máximo duas galas, e tenho outra que aceita até por uma semana. Agora, as outras, varia de acordo com o “fogo” delas e a disponibilidade do galador.




TFV - Quando normalmente você começa e pára de criar a cada temporada?


DG - Teoricamente, a temporada é de setembro a março, mas isso quem define é o próprio plantel e o clima, essa temporada, por exemplo, os pássaros aqui “aprontaram” tarde, mas costumo tirar três “posturas” por fêmea, quatro, só se a fêmea estiver muito “quente”, nunca mais do que isso, para não esgotar a fêmea.




TFV - Em geral, o ninho é construído em torno de quantos dias?


DG - Coloco o ninho comprado feito e raiz para elas “puxarem” só no inicio da temporada, para “esquenta-las”, elas “montam” e “desmontam” o ninho até a primeira postura. o tempo que leva varia de fêmea para fêmea, depois, nas outras posturas, não ofereço mais material, e elas botam no ninho novo direto, sem “forrar”.


TFV - Qual o material mais adequado para construção do ninho?


DG - Eu uso um tipo de raiz comum que è vendido em aviculturas e que deve ter seus nomes regionais, eu a conheço como “barba de bode”, além disso, saco de estopa bem lavado e desfiado com fios em torno de 18cm.


TFV - Que alimentos devem ser fornecidos as matrizes para alimentar os filhotes?


DG - Eu não mudo a dieta, sigo o cardápio, apenas não deixo faltar frutas e farinhada.


TFV - Com quantos dias pode-se anilhar os filhotes?


DG - Anilho com 5 ou 6 dias. depende do desenvolvimento do filhote.


TFV - Por quantos dias os filhotes permanecem no ninho?


DG - De 12 a 16 dias é normal, mas geralmente saem com 13 dias.


TFV - Quais são os cuidados que o Criador deve ter com as matrizes e filhotes?


DG - Higiene, boa alimentação e um local adequado


TFV - Qual a idade ideal para aparta os filhotes?


DG - Quando ele estiver se alimentando sozinho. já apartei com 28 dias (foi o mínimo) e com 34 (foi o máximo), entre esses dois extremos é normal.


TFV - As fêmeas no geral estão maduras sexualmente a partir de que idade?


DG - Acredito que com um ano, mas entre maturidade sexual e reproduzir, e ser chamada de criadeira, existe uma boa distância.


TFV - Qual o maior erro ao iniciar a criação de Trinca-ferro?


DG - Adquirir pássaros sem procedência e achar que com matrizes comuns irá gerar um campeão, Costumo dizer que um pássaro é:

  • 50% genética (o que herda de seus ascendentes);
  • 25% meio (local e condições em que irá se desenvolver);
  • 25% manejo (técnicas aplicadas pelo mantenedor, “munheca”).

TFV - Quais as cuidados necessários que o criador deve ficar atento na aquisição do Trinca-ferro?

DG - Adquirir pixarros de criadores sérios, realmente nascidos em cativeiro; verificar sempre a autenticidade das anilhas, questionar o criador sobre a filiação e qual garantia terá disso, pois acontece muito de pagar por um filho ou descendente de campeão e levar o filho de um pássaro comum e até mesmo levar um pássaro que foi retirado da natureza.


TFV - Como deve ser feita a escolha das matrizes para quem quer iniciar uma criação?


DG - Se voce tem pressa e condições financeiras, o idel é adquirir pássaros que já tenham dado filhotes de resultado. agora, se esse não for o seu caso, oriento a aquisição de filhotes que a mãe seja boa criadeira e que transmita fibra, e que o pai seja um pássaro de fibra com retomada de canto rápida de boa voz e bitola alta, e o filhote lhe dá a vantagem de vir sem “vícios” de manejo do antigo proprietário, o que irá facilitar colocá-lo mais facilmente em seu manejo, adequado à realidade de sua prateleira.


TFV - Qual é a alimentação ideal para Trinca-ferro?


DG - O pixarro tem uma dieta bem variada. por isso, em alguns lugares do brasil, ele até é chamado de tico-tico guloso. Acredito na diversidade alimentar, inclusive elaborei um cardápio balanceado que sigo e repasso para quem adquire meus filhotes, mas o principal é sempre comprar rações e sementes em embalagens fechadas e bem acondicionadas, e mantê-las sempre em local adequado. lavar bem as frutas e verduras e oferecer apenas em quantidade que ele coma durante um período do dia para que não haja o risco de estragar e continuar na gaiola, e nunca esquecer que a água deve ser filtrada e/ou mineral e trocada diariamente.




TFV - Quais são as doenças mais comuns na criação?

DG - Coccidiose e mycoplasmose.



TFV - Qual a idade ideal para iniciar os treinamentos para competições?


DG - Penso que desde o ovo, ouvindo o canto que se deseja fixar. depois que é apartado, já sexar para dar o manejo distinto para o filhote macho e fêmea, e isso eu repasso para o mantenedor que levar os pássaros para que haja a continuação e se obtenha o melhor deles.




TFV - Qual a mensagem que o senhor deixa para os leitores sobre o futuro da criação do Trinca-ferro em ambiente doméstico?


DG - A criação de pixarro será a cada ano mais fácil pela própria seleção dos criadores, pois boas criadeiras geram filhotas boas criadeiras, apesar disso ser uma tendência e não regra, pois depende de outros fatores. mas nunca será como de outros pássaro silvestres: a reprodução de pixarro, para mim, foi, dentre os que reproduzi, a mais difícil. Para os mantenedores digo que não há nada melhor do que adquirir pássaros em situação legal e de criadores sérios. sempre questione e observe bem os pássaros, as anilhas e as atitudes de quem irá lhe passar os pássaros para não comprar “gato por lebre”.

Para os criadores, digo que procurem sempre se utilizar de boas matrizes para que haja um melhoramento genético e não o contrário, como infelizmente vemos em outras espécies, quase se tornando uma “sub-espécie”, e quero registrar que, para mim, observar um pássaro em casa cantando e com qualidade de vida para tal está entre os momentos de maior prazer.

Daniel Guarnieri.
Criatório Guarnieri

www.criatorioguarnieri.nafoto.net

e-mail: criatorioguarnieri@hotmail.com

msn: criatorioguarnieri@hotmail.com


13 comentários:

  1. Olá Guarnieri, aqui é o Velloso e gostaria de te dar os parabéns pela entrevista e dizer que aprecio seu conhecimento em relação aos pixarros. Grande Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Caro Velloso, fico feliz por sua gentil mensagem.

    DANIEL GUARNIERI.

    ResponderExcluir
  3. olá amigo gostei muito dos seus comentarios e relatos pretendo ser um criador vc tem alguma matriz e um galador para vender. wilson_leo1@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  4. Guarnieri, sua entrevista foi muito boa nota dez, para tanta dicação so se explica quando temos paixão e amor pelo que nos fazemos, para criar passaro em cativeiro temos que ter dedicação e gostar muito, parabens.
    ja criei a algun tempo atraz mais agora quero fazer um trabalho de seleça se vc poder me auxiliar agradeço.
    EDISONMILIOSIFILHO
    E-MAIL edisonmiliosi@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  5. sr Guarnieri,estou começando a criar agora e ja procurei muita informção pela net,posso lhe garantir que a sua vai me ajudar e muito,alias eu quero saber se vc cria canto liso ou boiadeiro?pois moro no interior de sp e por aqui só c ve o liso,porem eu to a procura de um 3 nota e boi,os teus são boiadeiro?vc vende se tiver?
    obrigado kenion archioli
    msn-archioliteam_mma@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Sr. Guarnieri, sou do interior da bahia, tenho um casal de pixarro fogoso e nesta temporada consegui reproduzir por duas vezes em viveiro mas com menos de 45 dias os filhotes morrem com diarreia!me mande alguas dicas sobre alimentação da mãe dos filhotes. fanboquira@hotmail.com
    obrigado

    ResponderExcluir
  7. CARO WILSON, PASSEI TODO O PLANTEL DE PIXARROS PARA O AMIGO THIAGO NOSCH, A QUEM ENVIAREI SEU ENDEREÇO DE E-MAIL PARA QUE ELE ENTRE EM CONTATO COM VOCÊ NAS PRÓXIMAS TEMPORADAS.

    GUARNIERI.

    ResponderExcluir
  8. CARO MILIOSI, OBRIGADO POR SUAS PALAVRAS, O QUE TIVER AO MEU ALCANCE ESTOU A DISPOSIÇÃO.

    GUARNIERI.

    ResponderExcluir
  9. CARO KENION, PASSEI TODO O PLANTEL DE PIXARROS PARA O AMIGO THIAGO NOSCH, A QUEM ENVIAREI SEU ENDEREÇO DE E-MAIL PARA QUE ELE ENRE EM CONTATO COM VOCÊ NAS PRÓXIMAS TEMPORADAS.
    QUANTO A CANTO O QUE MANTINHA E "FAZIA" AQUI É O BOM-DIA-SEU-CHICO - BOI, E É O CANTO NO QUAL O THIAGO DARÁ CONTINUIDADE EM SEU CRIATÓRIO.


    GUARNIERI.

    ResponderExcluir
  10. CARO FRANCISCO, NUNCA REPRODUZI PIXARROS EM VIVEIRO POR CONSIDERAR QUE ALÉM DE DIFICULTAR UMA INTERVENÇÃO MAIS RÁPIDA, INVIABILIZA ALGUMAS TÉCNICAS DE MANEJO.
    QUANTO A DIARÉIA VOCÊ PRECISA ANTES DE ENTRAR COM UM TRAMENTO SABER A CAUSA, NO MAIS EVITE MUITA VERDURA E FAÇA SEMPRE UMA BOA HIGIENE, TE SUGIRO TAMBÉM QUE FAÇA UM EXAME NAS FEZES DOS FILHOTES.


    GUARNIERI.

    ResponderExcluir
  11. Sr. Guarnieri boa tarde, gostaria de saber uma coisa tenho um pixarro que comprei faz uns 5 meses. ao chegar em casa logo cantou, porem eu na ancia de ver se era fogoso coloquei o cd e ele parou por um tempo. logo após começou a cantar como no cd só baixo ! e hoje não canta mais !! será que ele correu e se sim o que faço pra que ele volte a cantar !1 grato Guto

    ResponderExcluir
  12. minha femea de trinca ninhou e botou um ovo sem gala,ela pede gala para o macho ao encostar as gaiolas pois quando juntos ñ e o macho só fica arrepiado e evita chegar perto dela e quando chega ela tenta pega-lo,tenho mais 2 machos porém ela mostra interesse só por ele,por favor me ajude, sou Francis Castro de Mogi Mirim interior SP, email francis.rcastro@hotmail.com obrigado!

    ResponderExcluir
  13. quero saber quanto tempo de vida dura um trinca ferro em média?

    ResponderExcluir